Destaque


ASSUNTO DA SEMANA:

                                                              

Halitose

      A halitose ou mau hálito é uma denominação que se dá a odores desagradáveis provenientes da boca ou da respiração. Sua origem é bastante diversificada que pode se dar desde a má higiene bucal e suas doenças,  como cárie e problema gengival, até distúrbios sistêmicos como diabetes e patologias  renais, por exemplo. No entanto, vale destacar que em condições fisiológicas  (normais) também pode ocorrer.  É um tema bastante delicado, às vezes constrangedor para o indivíduo que a possui, ainda que muitos não se dão conta disso, como também para as pessoas que o rodeiam. 4@5l@4@11@9@11@9@5xe" o:preferrelative="t" o:spt="75" coordsize="21600,21600">

      É possível afirmar que as principais causas que originam a halitose são provenientes da boca.  Além dos problemas dentários, um fator que se destaca é a saburra lingual, que se caracteriza como uma camada esbranquiçada depositada sobre a língua, formada tanto por restos alimentares como por células descamadas e por microorganismos.  Além dessa, podemos elencar outras causas, como por exemplo, o jejum prolongado.  Ao contrário do que muitas pessoas pensam que se pode ter um odor desagradável devido a um problema do gástrico, na verdade o que ocorre é a liberação de subprodutos exalados pela respiração proveniente da queima de gordura feita pelo organismo para obter energia quando uma pessoa passa algumas horas sem se alimentar.  A desidratação, originada por alguma enfermidade,    por intensa atividade física ou por pouca ingestão de líquidos também pode favorecer o surgimento do mau hálito, pois, a saliva possui uma   ação detergente que juntamente com a língua, durante a mastigação ou a fala, remove restos alimentares e células mortas da cavidade oral e com o ressecamento bucal esse efeito torna-se bastante reduzido.  É importante também considerar a  origem dos alimentos, aqueles de odor carregado como a cebola e o alho, são comumente responsáveis por um odor característico e pouco agradável.  O uso do álcool, tabaco e de algumas medicações também são fatores desencadeantes.

      Manter uma boa higiene bucal com o uso da escova, fio dental permitindo condições saudáveis as estruturas da cavidade oral é uma boa forma de se manter longe da halitose, somado a isso, é de suma importância a escovação da língua para remoção da saburra que ali comumente se faz presente.  Os produtos para bochechos são auxiliares na higienização desde que, em sua composição, não contenham álcool, haja vista, este é responsável pela descamação de células que se depositarão sobre a língua e estas favorecerão o aparecimento do mau hálito.  Deve-se também evitar o jejum prolongado mantendo uma alimentação saudável realizada sempre em pequenos intervalos e a bastante ingestão de líquidos para manter uma boa hidratação e, por conseguinte evitar o ressecamento da boca.

      Como se pode ver este é um assunto abrangente e bastante delicado.  São inúmeras as suas origens como também podem ser devastadoras as conseqüências para o indivíduo que possui a halitose, já que esta pode ser responsável por um isolamento social que, por sua vez, afeta enormemente o cotidiano do seu portador.  Diante da complexidade dessa desordem, o cirurgião-dentista é um profissional habilitado para diagnosticar a causa e propor um tratamento adequado como também dirimir quaisquer dúvidas sobre o assunto. Nunca é demais lembrar que “A saúde começa pela boca.”

 

 

Erickson Palma Silva   Cirurgião dentista


 




Este artigo vem de Hospital da Policia Militar   http://www.hpm.se.gov.br
A URL para este artigo é:   http://www.hpm.se.gov.br/modules/tinyd0/index.php?id=21